19 agosto 2017

MAIS UMA VEZ "CONSTRUINDO SOLUÇÕES"


Mais um evento importante do SENAC RS aconteceu no Barra Shopping
Esta foi uma semana enriquecedora. Mais uma vez estive envolvido com a educação técnica, e onde conheci colegas de docência que me fizeram aprimorar o conhecimento e compartilhar momentos de extrema relevância e alegria. Neste ano de 2017, novamente fui convidado a compor as bancas de avaliação da Feira de Projetos do SENAC RS e da Mostra de Inovação.

Estive representando a Faculdade FACTUM, e na companhia das colegas do SENAC RS, professora Vera Keller, da Faculdade SENAC, e professora Rita de Cassia Basilio, orientadora do EAD SENAC. Visitamos durante uma manhã e duas tardes mais de quinze projetos de diversos cursos de formação técnica. Alunos e professores orientadores de todo o Estado se fizeram presentes num grande evento, e que a cada ano mostra como é importante investir no conhecimento.

A composição de nossa Banca contou com 
as brilhantes colegas Vera Keller e Rita Basilio
“Construindo Soluções” tem sido o mote destes encontros, onde se busca engajar todos os agentes envolvidos nos diversos cursos de formação uma convergência de resultados em beneficio da sociedade. E foi assim que pudemos apreciar, eu e as colegas Vera e Rita, inúmeras ideias trazidas dos mais distantes recôncavos do Rio Grande do Sul, de Torres a Santana do Livramento e de São Luiz Gonzaga a Rio Grande. Ou seja, uma verdadeira “Rosa dos Ventos” de ideias reunidas num local maravilhoso, o Centro de Eventos do Barra Shopping na capital.

Dentre as tantas ideias por nós avaliadas, três delas se revestiram de enorme importância.

Alunos e orientador do projeto de recuperação de benzeno
Um primeiro projeto denominado “sistema de recuperação de vapores de abastecimento”, do curso técnico de segurança do trabalho da unidade de Carazinho, enfatizou a necessidade de reduzir os riscos de doenças ocupacionais na exposição dos operadores de abastecimento de postos de combustíveis com o benzeno. A ideia dos alunos Kauã, Lucas e Luciano foi muito promissora e trouxe uma preocupação que pouco tem sido atendida pelas empresas deste segmento.

O modelo do colete trazido pelas alunas do 
técnico em enfermagem de Uruguaiana
Outro projeto que nos catalisou durante a feira foi a alternativa idealizada por um grupo de alunas do curso técnico em enfermagem de Uruguaiana. As alunas Camilla, Suelen e Thaís, orientadas pela professora Juliane Rodrigues, criaram um Colete de auxílio para mobilização e locomoção de pacientes acamados”, de forma a reduzir os riscos ergonômicos dos profissionais de enfermagem nestas atividades. Tiveram também o cuidado de pesquisar o tipo de material para confecção e submeteram seu uso prático para aprimorar o protótipo.

Mas um dos projetos que mais nos causou impacto enquanto avaliadores, foi o Consultório Ambiental”, ideia dos alunos Aline, Andreia e Bruno do curso técnico em meio ambiente EAD do SENAC Floresta de Porto Alegre. Imbuídos da preocupação com os resíduos gerados pelas modernas soluções dos “Food Trucks”, estes criaram uma ideia “sui generis” na busca de solução inovadora para sensibilizar e educar não somente os proprietários destes negócios, como também o público que adere cada vez mais a este tipo de negócio. Empolgados com a repercussão positiva, eles foram mais além. Trouxeram os empreendedores para a unidade local e proporcionaram capacitação a eles, transformando o olhar responsável com as questões ambientais. Assim, depois da exposição do projeto completo pelos seus idealizadores, só nos restou uma gama de elogios e de admiração pela excepcional ideia, suscitando em notas máximas de avaliação.
Tivemos o prazer de entrar na Kombi do projeto
"Consultório Ambiental" criado pelos alunos do SENAC Floresta

Além de todos estes momentos relevantes, fomos também contemplados com o apoio da competente equipe do SENAC RS, responsável pela excelente estrutura do evento. Fica a alegria pela participação e a expectativa de mais uma edição no ano que vem.

Conhecer ideias inovadoras como estas, que partem dos alunos e seus orientadores, e ainda conviver com colegas brilhantes foi para mim uma grande semana.       

05 agosto 2017

A ALIENAÇÃO DA TECNOLOGIA


Alunos e Alunas são escravos das redes sociais cada vez mais
Não canso de destacar aos meus alunos a grande riqueza de dados disponíveis para consulta hoje em dia na rede mundial. Alguns estão sensíveis a tudo isso, e buscam informações para se aprimorarem como profissionais de excelência. Quando estão no computador da Escola, ou ainda nos seus smartphones, procuram utilizar o tempo de forma racional. Fazem pesquisas e buscam notícias ou reportagens relativas à sua área de formação. Tenho recebido muitos depoimentos positivos neste sentido.

Mas uma grande maioria parece alienada aos prejuízos das futilidades das redes sociais. Muitos se deixam “viciar” pelos recadinhos e mensagens idiotas e sem conteúdo. Não que isso seja proibido, mas o exagero faz a desconcentração total. Tem aluno que não consegue desligar o aparelho e prestar atenção em outra coisa. Para alguns inclusive, tenho recomendado buscarem urgentemente uma “clínica de desintoxicação”, tamanha a dependência.

Muitos já não conseguem viver longe das tecnologias
Há pessoas que não conseguem mais conversar e trocar informações senão pelo smartphone. Um dia estava no aeroporto esperando o embarque e fiquei estupefato olhando os passageiros sentados à minha volta. Todos de pescoço encolhidos nos seus “aparelhinhos”, ninguém conversava. Somente se ouviam os recados do alto-falante chamando para as partidas.

Tenho alunos e alunas capazes de pagarem uma mensalidade não tão barata para permanecerem na sala de aula recebendo e enviando mensagens. E quando são chamados a atenção fazem cara de paisagem ou se mostram enraivecidos. Um absurdo.

Conversando com colegas de docência, são raros aqueles que não se deparam com os mesmo dilemas. A maioria dos conflitos instalados em sala de aula tem estes equipamentos como foco central.

A dependência em demasia pode levar a
prejuízos até para a saúde  
Temos buscado alternativas de inserir esta tecnologia como ferramenta de evolução do conhecimento, até porque, entendemos que ela cada vez mais será uma realidade incontestável. Mas para quem não sabe utilizar de maneira produtiva esta ferramenta, não há como encontrar soluções eficazes. A tentação se faz sempre presente, até mesmo para nós professores. É preciso saber dominar o caráter viciante desta tecnologia. Nos nossos escritórios ou em casa, é muito comum numa pesquisa sermos catalisados por outros conteúdos e assuntos. É uma grande dificuldade manter a atenção diante de tamanha quantidade de novidades.

Tenho elegido o domingo como meu dia de libertação. Coloco como “proibitivo” ligar o computador ou consultar o smartphone neste dia, ou fazer alguma atividade remota com eles. Nos demais dias muitas vezes sou escravo, porque assim o exigem minhas atividades. Mas no domingo, nem pensar ficar a reboque desta tecnologia. Me devoto aos compromissos estritamente familiares, de descanso e de renovação do pensamento.

Algumas atitudes podem libertar desta alienação 
Procuro também no domingo desenvolver minhas leituras em “livro-papel”, coisa que por descuido quase acabei transformando em leitura eletrônica.

Portanto, sugiro aos meus amigos, colegas, alunos e alunas que também busquem alternativas de não se deixarem escravizar pela tecnologia. Ela é sim importante, e nos beneficia com muitas novidades. Mas também nos escraviza e pode nos tornar alienados a tudo que nos cerca, inclusive desvirtuar o contato com a família.

Quer saber quando você já está no limite? Quando começa a utilizar diariamente os aplicativos para dar “Bom Dia” e “Boa Noite”. Conheço vários que já fazem isso.

30 julho 2017

FLIP 2017: UM DEPOIMENTO EMOCIONADO

A Festa Literária de Paraty (FLIP) é um grande evento
nacional e internacional 
Quem me conhece sabe que a função de Educador me envolve há mais de quinze anos. Por isso, quase sempre estou atento às oportunidades em que esta ciência se faça presente na vida das pessoas. Isso muito me atrai, pois as experiências múltiplas demonstram o quanto a educação é capaz de transformar pessoas.

E todas as Feiras de Livros que acontecem são catalisadoras da minha atenção, sejam locais, regionais ou nacionais. Acredito que uma das principais atividades de transformação dos sujeitos seja a leitura. Mas infelizmente nem todos se dão conta da importância desta atividade. Como dizia o cronista e poeta Carlos Drummond de Andrade, um de nossos expoentes da cultura: “A leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas por incrível que pareça, a quase totalidade, não sente esta sede”.
A professora Diva Guimarães roubou a cena na FLIP

Neste final de semana se encerra um dos maiores eventos literários de nosso país, a Festa Literária de Paraty ou FLIP, como é conhecida. Reunidos na cidade histórica de Paraty, no estado do Rio de Janeiro, destaques da literatura brasileira mostram um pouco de suas habilidades com a poesia, a prosa, o conto e as crônicas. Este é para mim um momento de estar atento às novidades.

E nas reportagens da FLIP que se encerra neste domingo, mostradas pelas emissoras de televisão, uma foi marcante. Num depoimento prestado ao vivo durante o evento, a professora negra paranaense de 77 anos tomou conta da cena. Mostrou a todos o quanto a leitura é capaz de transformar uma realidade até mesmo de exclusão pelo racismo.


Não gostaria de transformar em texto tudo que a professora Diva Guimarães relatou neste seu depoimento emocionado. Prefiro que meus leitores vejam o vídeo e reflitam sobre a realidade vivida por ela. 

Assista o depoimento emocionado da professora

Boa semana a todos, e quem sabe nos encorajemos para mais leituras e transformações. 

21 julho 2017

A MARCA SANTANA

Julho de 2017: morre o autor da marca "Imortal Tricolor"
A Infância e Adolescência são períodos inesquecíveis de nossa vida mesmo. Pelo menos para mim o foram. Seguidamente me pego recordando aqueles tempos. Morando em Canoas nestas épocas, a vinda à capital era costumeira, pois grande parte dos atrativos de final de semana aconteciam no “Portinho”. E dentre aquelas que mais me recordo estão os jogos de futebol no antigo estádio “Olímpico”.  Ali assisti grandes confrontos, como aquela memorável despedida de Pelé com a equipe do Santos, antes de se transferir para o Cosmos .

Mas neste tempo de frequentar o estádio Olímpico, uma figura marcava os minutos iniciais de qualquer confronto. Um comentarista meio doido incendiava a torcida antes do jogo. Naquela época não tínhamos os “smartphones” e muito menos Facebook e Whatsapp. Mas junto ao ouvido todos traziam colados o radinho para ouvir os gritos de GOOOOOLLLLL do Armindo Antonio Ranzolin e os comentários do Lauro Quadros. E ali na beira do campo, ninguém mais do que Paulo Santana incitava a galera na arquibancada. E foi ele o criador da marca "Imortal Tricolor". 

A equipe esportiva que marcou minha adolescência
Por isso, posso lhes afirmar que SANTANA fez parte da minha vida, neste período e em outros tantos. E me senti triste, como se um pedaço da minha adolescência fosse embora nesta quinta-feira fria de julho.

Mas fica, como sempre, o seu Legado. Ao longo dos anos aprimorou a arte da escrita, e fez com que lêssemos muitas vezes o jornal “de trás para frente”, buscando sempre em primeiro lugar a “coluna do Santana” para saber sua opinião, primeiramente sobre o futebol; mas depois sobre outros assuntos.

Pois bem, na edição desta semana, resolvi trazer uma das muitas crônicas de Paulo Santana, para que vejam a qualidade da escrita deste inquieto, polêmico e autêntico ícone do radio, TV e jornal gaúchos. Espero que apreciem como apreciei durante muito tempo.

Salve SANTANA... 

A ROUPA E A NUDEZ
Quais terão sido os primeiros impulsos humanos? Depois que os bebês choraram, única prática humana sem aprendizado, foram ensinados a se alimentar, a engatinhar, a falar e a caminhar. Então a criança defrontou-se com seu corpo e sentiu pudor, também ensinado. Tratou aí de encobrir seu corpo, uma maneira de não entregar-se totalmente aos outros, a castidade é uma forma de poupança, ela será entregue como um tesouro para quem a merecer, devem ter pensado as virgens virtuosas.
A lingerie trouxe mais sensualidade
para a mulher
Assim os homens (e as mulheres) decidiram desde cedo que encobririam seus corpos, alguns com vegetais, cordas, madeiras, os guerreiros com metais. Mas convencionou-se finalmente que a nudez seria coberta por roupas. E as roupas acabaram por valorizar a nudez.
Em alguns países muçulmanos, a nudez é ainda mais valorizada porque as mulheres são obrigadas a cobrirem-se da cabeça aos pés. Talvez, assim, lá a lascívia e a concupiscência mais incendeiem a imaginação masculina: é que o desejo é ainda mais ardente quando não se conhece o objeto desejado.
Já nós, ocidentais, fomos aos poucos expondo nossos corpos num processo milenar. As luvas deram lugar aos anéis, os sapatos às sandálias, as calças às bermudas, as saias às minissaias e aos shorts. E, no campo feminino principalmente, até os talhes foram brindados com os decotes, tudo em função da sedução. As roupas, que tinham o pretexto do agasalho, foram assumindo a função exponencial de atrair o sexo oposto, de mãos dadas com a vaidade.
No sentido contrário do chador árabe, as roupas ocidentais partiram para a atração explícita, em vez do segredo muçulmano de vestimentas que deixavam o corpo blindado a sete chaves, abriram-se para os olhares alheios. Os corpos inteiros encobertos pelo vestuário foram dando aos poucos lugar às roupas sumárias, só deixando indescobertas as partes pudendas, a atração primal, embora os seios já tenham desabrochado para um processo de total exposição.

No meio dessa evolução surgiram tanto as roupas transparentes quanto as justas no corpo, as que melhor e sedutoramente configuram as verdadeiras formas corporais. De tal sorte a moda se incorporou à civilização que certa vez uma mulher célebre declarou que quando se mostrava bem-vestida isso lhe dava uma tal tranquilidade interior que nem a religião podia lhe transmitir.
De tal sorte o vestuário se transformou de obstáculo em cúmplice da nudez que se consagraram no mundo inteiro as lojas de lingerie. Com a lingerie, a arte e a ciência encontraram um meio de a mulher tornar-se mais sedutora com aquela roupa leve e suave do que se estivesse nua. É o homem substituindo o criador, a técnica do design superando a natureza.
Texto publicado em 19/02/2006

       

14 julho 2017

REFORMA TRABALHISTA: BOM PRÁ QUEM?

Em 120 dias a reforma trabalhista entre em cena
Em cento e vinte dias começam a valer as novas regras estabelecidas pelo projeto do governo da reforma trabalhista. E só então se poderá ter concretamente uma noção mais detalhada de suas consequências ou benefícios para a classe trabalhadora. Para a classe empresarial não há necessidade de perguntar, pois ela há muito ansiava por estas mudanças.

Sou partidário de mudanças, pois tudo que é estático pode fossilizar e emperra a modernização. Nossa lei trabalhista é septuagenária, e teve por base leis italianas e polonesas em sua origem. Portanto, podemos pensar numa adaptação aos tempos atuais, mas com muito cuidado. O problema é que os trabalhadores não foram conclamados para discuti-la. Estas mudanças devem ser feitas dentro da negociação e do diálogo, coisa que aqui inexistiu.

O governo manchado por denúncias
busca se sustentar no poder através das reformas
 
A reforma trabalhista deste “governo ilegítimo” ouviu só um lado, o lado que o apoia e que espera benevolências em troca da manutenção no poder, apesar das denúncias de propina e das “malas de dinheiro” comprovadas em vídeo. Esse governo não está preocupado com o Brasil, está sim preocupado com sua sustentação para não cair. E se cair, perde o foro privilegiado e seu comandante maior pode até parar atrás das grades.

Mas o que mesmo pode mudar daqui a cento e vinte dias, já que a reforma passou pela sanção do “presidente corrupto”?

Vamos ver as principais mudanças:

1) Negociado sobre o Legislado: Em alguns casos, prevalecerá sobre a lei o que foi acordado entre Patrão e Empregado.

Muitos trabalhadores não tem a mínima ideia das
mudanças que vem por aí
2) Jornada de Trabalho: Que poderá ser de até 12 horas diárias, com descanso de 36 horas. Ainda assim, permanece o limite de 44 horas semanais e 220 mensais.

3) Férias: Poderão ser parceladas em até 3 vezes, sendo a maior com no mínimo 14 dias e as outras com no mínimo 5 dias cada.

4) Trabalho Intermitente: Poderão ser feitos contratos por horas de serviço trabalhadas, com direitos proporcionais.       

5) Trabalho Remoto (Home Office): O trabalho a partir de casa ou de outro local será possível com negociação entre patrão e empregado.

6) Trabalho Parcial: Nessa modalidade poderão ser realizadas até 30 horas semanais sem hora extra, ou 26 horas semanais com até 6 horas extras.

É difícil acreditar que o trabalhador brasileiro
terá capacidade de negociar com o empregador
7) Autônomo Exclusivo: Passa a existir esse tipo de trabalhador, que poderá prestar serviço a um único empregador de forma continua, sem estabelecimento de vínculo.

8) Tempo na Empresa: Deixam de fazer parte da jornada de trabalho o deslocamento, descanso, alimentação, higiene pessoal e troca de uniformes.   

9) Descanso: Passa a existir a possibilidade de um intervalo mínimo entre as jornadas de meia hora, podendo haver negociação neste sentido.

10) Rescisão: Poderá ser feita na empresa, na presença do advogado do empregador e do funcionário. Passa a ser permitida a rescisão de contrato por “comum acordo” entre empregador e funcionário, onde este poderá receber metade do aviso prévio e a multa de 40% sobre o FGTS.

11) Remuneração: Não será mais obrigatório o pagamento do piso para remuneração por produção. Os benefícios (auxílios, prêmios e abonos) deixam de integrar a remuneração e não são mais cobrados nos encargos trabalhistas e previdenciários.
O trabalho remoto abre várias possibilidades, mas não há
certeza de que o trabalhador esteja preparado

12) Comissão de Fábrica: Empresas com mais de 200 trabalhadores deverão ter uma comissão de fábrica eleita pelos trabalhadores para negociar com o empregador.    

A princípio não comentarei nenhum item destes listados acima. Fica aqui tão somente para refletirmos e compararmos com a atual situação.

Será que podemos dizer realmente que será uma evolução nas relações trabalhistas brasileiras?

Ou será que estaremos jogando fora todos os avanços que foram conquistados nestas sete décadas de lutas, à custa de muita negociação e até mesmo de vidas perdidas em prol de uma maior dignidade na relação EMPREGADO X EMPREGADOR?  

08 julho 2017

2017: SOB A INSÍGNIA DA ESCRITA

O novo Guia do Técnico de
Segurança do Trabalho - Edição 2017
Este é um ano especial para mim. Apesar de vivermos um momento político deprimente, onde a cada dia é possível comprovar falcatruas de desvio de dinheiro público e o desmonte das estruturas de apoio à sociedade brasileira, ele ainda assim é especial. É um período de materializar alguns sonhos outrora acalentados.

Foi exatamente há seis anos, em julho de 2011, que decidi reunir algumas anotações de sala de aula e outras pequenas notas de reuniões, debates e palestras. Não havia me dado conta que já possuía uma produção significativa, e que elas poderiam auxiliar alunos e alunas que deixavam a sala de aula e se aventuravam no mercado de trabalho.

Eu tinha conteúdos de relações humanas, preceitos de administração e desenvolvimento profissional, atitudes de gestão de carreira e muitas outras coisas relativas às necessidades dos técnicos de segurança do trabalho. Aliado à minha experiência como gestor corporativo (experiência que eu poderia adicionar como “plus” para os novatos), pensei em disponibilizar tudo aquilo aos futuros profissionais da prevenção. Foi assim que nasceu a primeira edição do “Guia do Técnico em Segurança do Trabalho”, lançada ao final de 2013 pela Editora LTR.

"O Legado de José Lutzenberger":
em breve o lançamento 
A aceitação foi muito boa. Meus alunos e alunas aderiram à ideia.

Assim é que pude experimentar o gostinho de ser “Escritor”. E este “vício” tomou conta de mim...

E sabe como isso acontece? Você não pode mais ter um tempo livre ou ver um teclado à sua frente, sem que seja catalisado por eles. Há sempre uma ideia na cabeça, sempre um projeto em desenvolvimento. Para sujeitos como eu, não perguntem se há uma manhã ou uma tarde desocupadas.

A mente do Escritor se mantem em constante orquestração. As ideias brotam de inúmeras fontes, daquelas de onde outros são incapazes de imaginar, de se inspirar. Se por acaso me apanharem com o pensamento e o olhar distantes, por certo ali está brotando outro plano.

Pois neste mês de julho, estou ansiosamente aguardando por notícias das editoras. Uma delas traz meu primeiro livro de cunho ambiental, uma homenagem póstuma aos quinze anos da morte de nosso maior ambientalista. O título fala por si: “O Legado de José Lutzenberger”. Não darei mais detalhes, deixo guardados os segredos para aqueles que me contemplarem com a aquisição e a leitura da obra. Foi feita com muito carinho e dedicação. Teve o patrocínio da Faculdade Factum, pela qual tenho muita consideração. A expectativa é muito grande pelo bom resultado.

25 de Julho, Dia do Escritor
Concomitante a este lançamento, tive neste junho a aprovação de meu projeto do “Guia do Técnico de Segurança do Trabalho”, agora em sua segunda edição. Trabalhei nele todo ano de 2016 e início de 2017, revisando, ampliando e aprimorando tabelas, fluxogramas, figuras e muito mais. O novo formato agora é menor em tamanho e totalmente colorido. Ficou muito melhor do que o primeiro, pois eu era ainda um escritor de primeira viagem e a editora não me satisfez. Tenho certeza que o novo formato vai ser do agrado do leitor.

Está ainda em gestação um terceiro projeto que me mobiliza nestes últimos meses, sobre a doença que me acometeu. A ideia é contribuir para com aquelas pessoas que possuem dificuldades na busca incessante de um diagnóstico ou da cura, e das dificuldades e preconceitos que sofreram ou sofrem, assim como eu. O nome já está alinhavado. Vai se chamar:

“Entre a Dúvida e a Certeza: o que a Doença me ensinou”.

Em breve o lançamento de
"Entre a Dúvida e a Certeza: o que a Doença me ensinou"
Mas sei que a solução de tudo não é o livro, não é a leitura. Todavia, ela fundamenta muitas das mudanças que se fazem necessárias na nossa realidade. Fico com estas frases de nosso poeta maior, Mario Quintana:

“Os livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. 
Os livros só mudam as pessoas”. 

Neste mês de julho, no dia 25, comemora-se o Dia do Escritor. Nunca imaginei que, depois do Dia dos Pais e Dia do Professor, agora eu poderia me enquadrar em outra data comemorativa. E nestas datas, para o Pai a maior felicidade é o reconhecimento dos filhos, assim como, para o Professor o reconhecimento de seus alunos e alunas. Portanto, para o Dia do Escritor, espero contar com o reconhecimento de meus leitores, peças fundamentais e motivadoras destes projetos. 

01 julho 2017

NR36 - MAIS UM FRIGORÍFICO NOTIFICADO

Quem achava que a NR36 havia chegado só para constar como mais uma norma publicada, esta semana constatou que ela veio prá combater a negligencia com a saúde e integridade física dos trabalhadores do segmento de processamento de carnes.

Desta vez, o Ministério Público do Trabalho notificou o frigorífico Boa Esperança Agroindústria, no município de Santo Antônio da Patrulha. Foram dois dias de inspeção na fábrica, na terça e quarta-feira desta semana, dentro da programação de uma força-tarefa criada para esta finalidade. Isto quer dizer que outras empresas poderão receber a visita dos fiscais nos próximos dias.  

Frigorífico de abate de bovinos de Sto. Antonio da Patrulha-RS
Segundo o MPT, no Boa Esperança foram encontradas treze irregularidades marcantes e que contribuem para tornar o ambiente de trabalho hostil aos funcionários da empresa. Dentre elas, a inexistência de uma CIPA e um SESMT terceirizado que funciona de maneira muito precária. Os principais programas exigidos pela legislação encontrados na empresa eram os populares PPRA e PCMSO “de gaveta”, aqueles que são elaborados por empresas adeptas do “copia/cola” e que são tão genéricos que não se consegue reconhecer ao que se aplicam.

Fez parte da equipe de fiscalização a reconhecida e experiente tecnologista da Fundacentro, Dra. Maria Mucillo, que destacou que a empresa deixa claro que Segurança e Saúde no trabalho não fazem parte da sua política de negócios. Disse ela: “Como organização empresarial se mostrou uma incubadora de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho, colocando em perigo a sua própria permanência no mercado diante do desafio da competitividade, como a inoperância relativa às questões que afetam diretamente a vida de seus trabalhadores“.

Dra. Maria Mucillo, uma das maiores autoridades
em tecnologia de Higiene Ocupacional
Para os fiscais, principalmente em termos de documentação, muita coisa deverá ser regularizada. Além disso, a empresa deverá comprovar a sua aplicação na prática, coisa que muitas empresas deixam a desejar. Com a notificação do MPT, foram concedidos prazos de 30 a 90 dias para a regularização dos problemas constatados.

Como prestador de serviços na área documental e de politicas de segurança do trabalho e saúde ocupacional, temos visto uma quantidade enorme de profissionais que se habilitam para elaborar PPRA e PCMSO. Alguns deles conseguem fornecer estes documentos às empresas sem sequer conhecerem o chão de fábrica ou o ambiente laboral. E acabam sendo preferidos pelas empresas por causa dos valores módicos cobrados, em detrimento da qualidade e da efetividade. Por isso, somente quando submetidas a uma fiscalização, estas empresas se deparam com o equívoco cometido na contratação de prestadores de serviços de baixo preço e sem qualidade.

PPRA e PCMSO, dois programas imprescindíveis em qualquer empresa
Outras irregularidades constantemente observadas são os treinamentos mal executados. Há uma enorme disponibilidade de “profissionais” no mercado sem competência suficiente para a capacitação de funcionários.

Outro dia fiquei sabendo que um técnico de segurança do trabalho, recém formado, ministrava palestras de hora e meia sobre a CIPA e fornecia certificados de 20 horas às empresas, tudo por um preço muito vantajoso. Outro instrutor ainda, ministrava treinamento de Espaço Confinado de 4 horas, inclusive com aquela conhecida “parte prática” de rapel, e fornecia certificado capacitação em NR33, que exige 16 horas na formação de Vigia e Autorizado. 

O Ministério Público do Trabalho tem intensificado as
fiscalizações nas empresas de processamento de carnes
E assim muitas outras irregularidades podem ser constatadas por aí.

Portanto, é de grande importância a atuação da fiscalização para salientar às empresas que busquem profissionais reconhecidos e com registro formal nos respectivos conselhos, para elaborar documentos de qualidade e ministrar treinamentos eficazes.

Quem prefere escolher pelo preço pode a qualquer momento ser visitado por uma força-tarefa e constatar que foi ludibriado por aproveitadores. 

24 junho 2017

A HORA DE SAIR DO SÉRIO

Na minha infância, algumas vezes minha mãe olhava a mim e meu irmão com aquele olhar de censura, e dizia: “Uma hora dessas vou sair do sério, e vocês vão ver!” Nós já sabíamos que o aviso havia sido dado, e que se não nos cuidássemos o castigo viria.
Pois hoje, também vou sair do sério... Mas não daquela forma, e literalmente vou abandonar hoje os assuntos da nossa realidade, do nosso cotidiano. Afinal, este cotidiano está muito difícil de encarar. Tantas má notícias e fatos revoltantes que resolvi “desopilar o fígado” neste sábado de sol e excelentes temperaturas aqui na capital gaúcha.
Luís Fernando Veríssimo reúne
outras habilidades além da escrita
Por isso, convidei um de nossos maiores cronistas: Luís Fernando Veríssimo. É dele a excelente crônica que segue, intitulada:
“EXIGÊNCIAS DA VIDA MODERNA”
Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro. E uma banana pelo potássio. E também uma laranja pela vitamina C. Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.
Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água. E uriná-los, o que consome o dobro do tempo.
Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos (que ninguém sabe bem o que é, mas que aos bilhões, ajudam a digestão).
Cada dia uma Aspirina, previne infarto.
Uma taça de vinho tinto também. Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso.
Um copo de cerveja, para… não lembro bem para o que, mas faz bem.
O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame, nem vai perceber.
Todos os dias deve-se comer fibra. Muita, muitíssima fibra. Fibra suficiente para fazer um pulôver.
Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente.
E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada. Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia… E não esqueça de escovar os dentes depois de comer.
Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com Plax.
Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som, porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia.
Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco comendo são vinte e uma. Sobram três, desde que você não pegue trânsito.
As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia. Menos você, porque todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por experiência própria, após quinze minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).
E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando.

Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para comparar as informações.
Ah! E o sexo! Todos os dias, tomando o cuidado de não se cair na rotina. Há que ser criativo, inovador para renovar a sedução. Isso leva tempo – e nem estou falando de sexo tântrico.
Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos e espero que você não tenha um bichinho de estimação.
Na minha conta são 29 horas por dia. A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo!
Por exemplo, tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes.
Chame os amigos junto com os seus pais.
Beba o vinho, coma a maçã e a banana junto com a sua mulher… na sua cama.
Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e se sobrarem 5 minutos, uma colherada de leite de magnésio.
Agora tenho que ir.
É o meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro. E já que vou, levo um jornal… Tchau!
Viva a vida com bom humor!!!